Mulheres no agro: Como elas estão revolucionando a pecuária?

01Abr / 2019

Mulheres no agro: Como elas estão revolucionando a pecuária?

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, não poderíamos terminá-lo sem falar sobre elas, que diariamente lutam por seus direitos e espaço. Prova de suas conquistas, é a presença feminina crescente no agronegócio e, em particular, na pecuária.

Hoje, é possível enxergá-las em papéis de destaque nos eventos do setor, à frente da gestão das propriedades, como profissional de referência e cases de sucesso.

De acordo com a Associação Brasileira de Marketing Rural (ABMRA), atualmente, 31% das propriedades são gerenciadas por gestoras, crescimento expressivo se comparado a 2013, quando representavam apenas 10%. Mas qual o motivo desse aumento?

Não há apenas uma justificativa, mas uma suposição é o contexto difícil vivido pelo agro nos últimos anos,  cenário de margens mais reduzidas, que exigiu uma administração mais refinada e equilibrada que, em geral, é característica das mulheres em posição de comando. 

É preciso falar sobre o protagonismo das mulheres no campo, não apenas porque elas estão ocupando seus espaços em um setor predominante masculino, mas porque com suas visões de negócio o agro se movimentou, se reconfigurou e se reestruturou para atender necessidades até então inexistentes, ou não percebidas. Como consequência desse movimento, acontece o desenvolvimento do setor.

Fato é, a mulher não está buscando disputar espaço com os homens, mas sim compartilhar experiências e agregar valor ao agronegócio. Desta forma, a porteira se abre para a participação feminina e elas se mostram cada dia mais preparadas para atuar no campo e enfrentar os desafios do mercado e da sociedade. 

Capacitação feminina

Característica em comum entre essas mulheres é o fato de se capacitarem muito. Uma vez que grande parte delas assume o comando das fazendas por meio de sucessão familiar, sentem a necessidade de buscar aperfeiçoamento para conduzirem melhor e de forma mais rentável seus negócios.

Uma pesquisa da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) consultou 301 mulheres que atuam na agropecuária. Verificou-se que 60% delas têm curso superior e 88% são independentes financeiramente.

Outro ponto de destaque sobre o perfil feminino é que são mais organizadas e gostam de participar de grupos de troca de experiências. Assim, ao longo do tempo elas foram se organizando e criando cooperativas e associações para aprenderem umas com as outras, tornando a presença das mulheres no agronegócio mais sólida e forte.

Mulheres no agro: sinônimo de tecnologia no campo

Uma vez que possuem alta escolaridade, buscam se munir de informações e estão sempre se atualizando, as mulheres, cada vez mais exigentes, levantam a bandeira da inovação e defendem a utilização da tecnologia no campo como solução para otimizar seus resultados. Promovendo, assim, uma verdadeira revolução no mercado da pecuária, onde ainda prevalece uma cultura muito tradicional.

Além de tantas outras posições que ocupa, a mulher surge no papel de aceleradora de inovações nesse segmento de mercado. E, por também levantar a bandeira da inovação, acreditar no valor e nos ganhos que o uso da tecnologia pode proporcionar aos produtores brasileiros, que a COIMMA apoia os movimentos femininos no agro e se considera uma parceira das pecuaristas do país.

COIMMA se orgulha da parceria com as pecuaristas do país

Exemplos dessas parcerias bem-sucedida são os contatos que desenvolvemos nesses anos com mulheres incríveis, que acreditam nos mesmos propósitos que a COIMMA e trabalham em prol do crescimento da atividade no Brasil.  

Adriane Zart, médica veterinária, é uma profissional reconhecida pela técnica de manejo “Nada nas mãos”. Em outubro do ano passado, visitou a COIMMA e, em um bate-papo enriquecedor, nossa equipe pôde trocar experiências sobre pecuária e principalmente bem-estar animal, adquirindo conhecimentos que aplicamos em nosso trabalho.

Confira na íntegra a entrevista realizada com Adriane Zart aqui.

Com Liliane Suguisawa, outro grande nome de destaque na pecuária, também aprendemos muito sobre melhoramento genético animal, além da importância de um manejo eficiente para garantir a qualidade da carne e a geração de lucro. Ela participou da série “Lucro”, criada pela COIMMA, e tem muito a ensinar! Assista ao vídeo, clicando aqui.

Outra grande parceira que merece destaque é Lilica Almeida, proprietária da fazenda Água Branca e sócia-proprietária da marca Nelore de Golias, que tem como pilares para o desenvolvimento do seu trabalho a nutrição, saúde, genética e manejo animal. O resultado dessa parceria de sucesso rendeu à COIMMA a indicação de 1º Case de Design Innovation Pecuário do Mundo, durante a 3ª edição do Congresso Nacional das Mulheres no Agronegócio.

Clique aqui para saber mais sobre o case.

Conheça outras grandes mulheres do Agro

  • Consolata Piastrella: Capa da revista Globo Rural, é CEO e Fundadora da Piastrella Rastreabilidade Animal, entidade certificadora credenciada junto ao Serviço Brasileiro de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos.
  • Marize Porto Costa: Se destacou no agro por tornar sua fazenda referência em manejo sustentável e por produzir com eficiência nos 12 meses do ano, por meio dos sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Florestal (ILPF)
  •  Carla Tuccilio: Foi diretora do Terraviva Eventos e coordenadora da Intercorte, um dos maiores eventos do segmento que percorreu os principais polos de carne do Brasil.
  • Teka Vendramini: Assumiu em 2016 a posição de diretora executiva da Sociedade Rural Brasileira, sendo a primeira mulher em 98 anos.

A COIMMA agradece a todas às mulheres pecuaristas, que de forma destemida e confiante estão revolucionando o agronegócio, promovendo o desenvolvimento do setor e tornando realidade em nosso país a pecuária 4.0.

Vocês são a força da pecuária e estamos com vocês!

Comente:

Fundada em 1951, a COIMMA é hoje a maior fabricante de balanças e troncos da América Latina.Saiba Mais!