Consumo de água na produção animal

30Jan / 2015

Consumo de água na produção animal

Hoje em dia estamos vendo muitas notícias sobre a falta de água em todo o Brasil. No entanto, o site planeta sustentável (2015) diz que 40% da população do planeta já sofre as consequências da falta de água, e que além do aumento da sede no mundo, a falta de recursos hídricos tem graves implicações econômicas e políticas para as nações. Em meio a uma das crises hídricas mais graves da história do Brasil, um relatório divulgado pelo governo federal mostra que 37% da água tratada para o consumo humano é perdida antes mesmo de chegar às torneiras da população, fato esse explicado devido às falhas nas tubulações. Além disso, há perdas com fraudes e ligações clandestinas (Lobel, 2015).

No entanto, devemos nos preocupar sobre a falta de água na produção animal?

Na produção de alimentos no mundo, o Brasil tem papel principal, pois tem se tornado grande gerador de proteína animal, e que segundo previsões, atingirá o primeiro posto até 2020. Para os pecuaristas e produtores brasileiros isso tem se tornado uma realidade, pois o Brasil já é um grande exportador de carne bovina, suína e de frango. Alguns países rotulam o Brasil como o “frigorífico do mundo”. Calcula-se que 1/3 da carne consumida no mundo é de origem brasileira (Palhares, 2012).

Ainda segundo Palhares (2012) a água é um dos recursos naturais mais fundamentais para a produção animal, sendo bastante disponível em quantidade e qualidade. A água é muito utilizada na produção de alimentos e insumos, e na higienização das instalações de animais, como veículo para limpeza dos resíduos (fezes, urina, restos de alimentos e camas), assim como no abate e no processamento dos produtos. Portanto, a dependência hídrica é elevada, o que coloca o Brasil em posição relativamente confortável, devido a sua grande disponibilidade hídrica perante os outros países de tradição pecuária. O que não devemos esquecer é que esta é uma posição confortável no presente, o que não garante a mesma posição no futuro.

De acordo com Palhares (2013), o consumo de água é um dos indicadores disponíveis para avaliar o desempenho zootécnico e sanitário de um rebanho. Monitorá-lo significa dispor de informações valiosas que auxiliarão na tomada de decisão sobre os aspectos produtivos, econômicos, sociais e ambientais. O conteúdo de água no organismo dos animais, juntamente com o seu consumo de água, varia entre as espécies, ambiente e entre os indivíduos (Figura 1). A água faz parte de 50% a 80% do organismo dos animais, sendo que animais mais jovens possuem maior quantidade de água no organismo em relação a animais mais velhos, devido a estes possuirem maior proporção de gordura corporal.

Figura 1: Fatores que influenciam o consumo de água pelos animais.

 

 

Da mesma forma, para se produzir carne bovina em sistema industrial, leva-se em média três anos para o animal ser abatido e produzir 200 kg de carne, este animal consome: 1.300 kg de grãos, 7.200 kg de volumosos, 24 m3 de água (a ser ingerida) e 7 m3 de água para serviços. Por quilograma de carne: 6,5 kg de grãos, 36 kg de volumosos e 155 litros de água (Palhares, 2014). Segundo Mekonnen e Hoekstra (2010), para se produzir um quilograma de leite consome-se 1.020 litros de água, pois estima-se que a produção de leite consome 19% da pegada1 de água da produção animal mundial.

Afinal, o que nós produtores ou técnicos podemos fazer para diminuir o uso de água na produção animal?

Segundo pesquisadores da FAO (2010), em sistemas a pasto, a produtividade da água pode ser melhorada por meio da melhor gestão das pastagens, as quais têm o potencial de reduzir em 45% a quantidade de água utilizada.

O uso da água pode ser reduzido também por meio da melhoria da eficiência dos sistemas de irrigação, diminuição de erosão e degradação da terra com uso de curva de nível, melhoria na gestão de resíduos para diminuir a poluição, melhores dietas para otimizar a absorção de nutrientes, melhor gestão dos dejetos (incluindo o biogás) e melhor utilização do chorume em culturas agrícolas. A produção animal deve ser descentralizada para áreas de cultivo agrícola, onde os resíduos podem ser reciclados, sem sobrecarregar os solos e a água doce.

1 A pegada hídrica de um produto é definida como o volume de água consumido, direta e indiretamente para produzir o produto.

 

Wilson Inácio da Silva Filho
Anderson Augusto dos Santos
Zootecnia Unesp
Campus Dracena

Comente:

Fundada em 1951, a COIMMA é hoje a maior fabricante de balanças e troncos da América Latina.Saiba Mais!