Carne bovina e boi gordo em 2014

28Jul / 2014

Carne bovina e boi gordo em 2014

A revista BeefWorld de Junho/Julho de 2014 produziu uma matéria sobre a situação e perspectivas do mercado de carne bovina e do boi gordo para este ano. Segundo a reportagem assinada por Leonardo Alencar e Fabiano Tito Rosa, gerentes de Business Intelligence da Minerva Foods, o Câmbio e o Clima são os fatores de maior influência e imprevisibilidade do mercado pecuário. Além disso, eles são os fatores que definem o custo de produção e demanda por grãos.

Além dos fatores citados acima, a Copa do Mundo, Eleições, inflação, dólar em alta, menor disponibilidade de crédito, alto endividamento, queda da confiança do consumidor e da indústria, chuva demais em algumas regiões e pouca chuva em outras, além de fatores externos como as crises de Argentina, Venezuela e mais recentemente a crise diplomática entre Rússia e Ucrânia contribuem para a volatilidade do mercado de carne bovina e do boi gordo em 2014. Um dos resultados de todas essas conjunções de fatores é uma redução do nível de exportações de uma média de 100 mil t/mês em 2013 para 80-90 mil t/mês em 2014. Ocasionando o aumento de preços de matrizes e boi gordo desde o início do ano.

O câmbio e o clima são duas variáveis exógenas ao setor, quase impossíveis de se prever. Por outro lado, segundo a reportagem, a perspectiva da produção de médio-longo prazo é favorável, uma vez que o início da retenção de fêmeas para cria desenha um bom cenário para aumento de produção, mas no curto prazo o impacto é a redução da oferta de animais para abate.

“A perspectiva da produção de médio-longo prazo é favorável, uma vez que o início da retenção de fêmeas para cria desenha um bom cenário para aumento de produção, mas no curto prazo o impacto é a redução da oferta de animais para abate”.

A safra de grãos sofreu uma quebra esse ano, ocasionando um aumento de preços de 18 a 21% para milho e soja, respectivamente, resultando em maior custo de produção para os pecuaristas, pois a falta de chuvas e consequentemente pastos, fez com que aumentasse o número de animais confinados, consumindo maior volume de grãos para a alimentação dos animais. Em 2014 a soma dos animais confinados mais os semi-confinados chegarão a representar 20% do total de animais abatidos.

O grande motor do consumo de carne no Brasil ainda continua sendo o consumo interno, graças a escalada social e melhora na distribuição de renda. Mudanças no padrão de consumo, entre outros eventos elevaram o consumo de carne bovina do brasileiro para mais de 42kg per capta. O brasileiro nunca consumiu tanta carne bovina quanto atualmente.

“O brasileiro nunca consumiu tanta carne bovina quanto atualmente”

Há uma expectativa que as vendas de cortes nobres e tipo grill devem acelerar no varejo, mostrando que não só a escalada social tem incentivado o aumento do consumo de carne bovina, mas também a classe média está passando a consumir cada vez mais carnes de cortes diferenciados e maior valor agregado. Soma-se a isso, campanhas de incentivo ao consumo de carne bovina, como por exemplo a campanha “A Boa Carne”, já noticiada aqui no Blog.

Quais são as perspectivas para 2014/2015 para você, amigo pecuarista? Quais os investimentos que vocês está fazendo para melhorar a sua rentabilidade nos próximos meses? Divida sua opinião com a gente.

Comente:

Fundada em 1951, a COIMMA é hoje a maior fabricante de balanças e troncos da América Latina.Saiba Mais!